sabedoria

 

MOMENTO DE REFLEXÃO

Havia um homem idoso e muito sábio. Todos os dias, ele se sentava em sua cadeira de balanço, ao lado de um posto de gasolina, e esperava para cumprimentar os motoristas que transitavam por sua pequena cidade.

Certo dia, a neta desse homem ajoelhou-se aos pés de sua cadeira e passou um longo tempo fazendo-lhe companhia. Enquanto eles observavam as pessoas chegando e partindo, um homem alto, que parecia um turista — pois o avô e a neta conheciam todos os moradores da cidade —, começou a andar de um lado para o outro como se estivesse examinando o local para morar ali.

O forasteiro aproximou-se dos dois e perguntou:

— Como é esta cidade?

O senhor idoso virou-se lentamente e disse:

— E como é a cidade de onde o senhor vem?

— Na cidade de onde venho — respondeu o turista —, todo mundo critica todo mundo. Os vizinhos fazem mexericos. É um lugar péssimo para viver. Estou feliz por sair de lá. Não é muito agradável.

O homem sentado na cadeira de balanço olhou para o forasteiro e disse:

— Sabe de uma coisa? Esta cidade é exatamente assim.

Mais ou menos uma hora depois, uma família que também estava

de passagem pela cidade fez uma parada para reabastecer. O carro

rodou lentamente e parou diante do local onde o senhor idoso e sua neta se encontravam.

A mãe saltou do carro com duas crianças pequenas e perguntou onde ficava o banheiro. O homem na cadeira de balanço apontou para uma pequena placa curva e pendurada, presa apenas por um prego do lado de fora da porta. O pai desceu do carro e perguntou ao senhor idoso:

— Esta cidade é um lugar bom para a gente viver?

O senhor idoso respondeu com uma pergunta:

— Como é a cidade de onde o senhor vem?

O pai olhou para ele e disse:

— A cidade de onde venho é muito prestativa. Todos estão sempre querendo ajudar o vizinho. Por todos os lugares que andamos, ouvimos sempre um cumprimento e uma palavra de agradecimento. Detesto ter de ir embora de lá. Parece que estou deixando minha família para trás.

O senhor idoso virou-se para o pai e deu-lhe um sorriso caloroso.

— Sabe de uma coisa? Esta cidade é muito parecida com a sua.

A família agradeceu, retornou ao carro, acenou despedindo-se e partiu.

Após alguns minutos, a neta olhou para o avô e perguntou:

— Vovô, por que o senhor disse ao primeiro homem que esta cidade era um lugar horrível para viver e depois disse ao pai de família que era um lugar maravilhoso?

O avô olhou carinhosamente para os olhos azuis e inquisitivos da neta e disse:

— Seja lá qual for a cidade onde vamos morar, carregamos conosco as mesmas atitudes, e é isso que torna o lugar horrível ou maravilhoso.

(Recontada por Kris Gray, em Histórias Para o Coração.)

Ricardo.

Feliz  terça-feira.

Anúncios