ensinomedio

Importante neste inicio de trabalho com a Filosofia no Ensino Médio o professor fazer um trabalho de investigação, de diagnóstico de sua turma para logo mais, no Planejamento 2013, conseguir traçar um roteiro de trabalho apoiado em fatos e questões que estão no “chão da sala de aula”. Elaborar uma metodologia didática própria para este nível de aprendizagem considerando os anseios e necessidades dos jovens de nossas escolas.

A Filosofia como Oficina de Conceitos retomando as idéias de Deleuze, e muito bem explorada por Gallo:

(…) parece-me que podemos caracterizar assim as etapas de trabalho numa “oficina de conceitos”: 1.Sensibilização; 2.Problematização; 3.Investigação; 4.Conceituação. Através do trabalho progressivo nessas quatro etapas, podemos colocar aos estudantes um problema filosófico, fazendo com que eles vivenciem o problema, para que possam efetivamente fazer o movimento da experiência de pensamento. O problema não pode ser um falso problema ou um problema alheio, externo a eles. Se só pensamos a partir de problemas que efetivamente vivemos, é importante que eles vivenciem o problema, apropriem-se dele, o incorporem. A partir do problema vivido, podemos investigar na história da filosofia conceitos criados para equacionar esse problema ou problemas próximos a ele. E testar esses conceitos em relação a nosso problema, saber se eles nos servem ou não, se precisam ser adaptados, recriados, ou se podem ser descartados. Por fim, o momento da experiência filosófica de pensamento propriamente dita: o equacionamento do problema através de um conceito, seja ele um conceito apropriado de um filósofo, um conceito recriado ou um conceito realmente novo, criado com originalidade. (GALLO, 2006). 

Pensar nestas etapas ajuda a elaborar uma aula de Filosofia que seja Oficina de Conceitos.

Este pode ser o principio do trabalho que contribui para que o professor como mediador no processo de aprendizagem se envolva e permita que as idéias e os conceitos apareçam garantindo que o espaço das aulas se torne produtivos e eficazes como se espera de uma aula de Filosofia.

Fica a dica.

Bom trabalho!

Ricardo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

GALLO, Silvio. A Filosofia e seu ensino: conceito e transversalidade. Revista Ethica. Rio de Janeiro, v.13, n.1, p.17-35, 2006. Disponível em:http://www.revistaethica.com.br/v13n1Artigo1.pdf

Anúncios